PT | EN

iA


O homem em Bogotá e as quadraturas Úrano – Plutão

by admin. Average Reading Time: about 3 minutes.

Recentemente li um conto da escritora americana Amy Hempel chamado “O Homem em Bogotá”. Aqui está a tradução da parte que mais me impressionou como astróloga:

Ele era um homem rico, um industrial que foi raptado e pedido um resgate ……  A sua mulher não podia ligar para o banco e, em vinte e quatro horas, não conseguiu um milhão de dólares. Demorou meses. O homem tinha um problema no coração, e os sequestradores tinham de manter o homem vivo… Os seus captores fizeram-no parar de fumar. Mudaram sua dieta e obrigaram-no a fazer exercício todos os dias. Mantiveram-no dessa forma durante três meses. Quando o resgate foi pago e o homem foi liberado, o médico examinou-o. Encontrou o homem de excelente saúde. … O médico disse que o rapto foi a melhor coisa que aconteceu ao homem em Bogotá. Ele pergunta-se como sabemos nós que o que nos acontece não é bom?

O panorama astrológico de longo prazo tem sido dominado pelo quadratura entre Úrano e Plutão. Estes dois planetas encontraram-se pela terceira vez anteontem, precisamente a 90° um do outro.  Por questões de mecânica celeste este encontro angular ainda se repete mais quatro vezes sendo a ultima quadratura em Março de 2015. Estes dois personagens estiveram muito próximos em Agosto de 2011 e voltaram a avizinhar-se a 1° de distância no princípio de 2016. Por isso podemos considerar um espaço de 6 anos em que este aspecto está operativo.

SFEphem

Sabemos que estamos a viver uma época tensa da história da humanidade a nível político e económico: Úrano em Carneiro aponta para uma mudança activa, para a capacidade de lutar por um mundo mais justo,  igualitário onde as pessoas têm maior possibilidade de viver livremente. Plutão em Capricórnio aponta para completa transformações dos sistemas económicos, políticos, sobretudo aqueles que não nos são uteis, que já não servem.  Com a quadratura, estas duas energias entram em conflito e os governos e o grande capital agarram-se ao poder e o povo sofre e revolta-se.

Este acontecimento astronómico  excepcionalmente longo vai afectando durante seis anos os graus 5 a 17 dos Carneiro e Capricórnio, signos onde se encontram Úrano e Plutão. Por oposição toca também os mesmos graus de Balança e Caranguejo. A nível colectivo muitos países estão a ser afectados mas deixo esses comentários para os meus colegas da astrologia politica.

A nível pessoal a quadratura de Úrano e Plutão afecta sobretudo quem tem o Sol, Lua ou ascendente na zona do zodíaco onde estes dois planetas se cruzam. De uma forma menor mas em certos casos não menos intensa afecta também as pessoas que tem outros planetas do seu tema nestes graus e signos críticos.

É muita gente a sentir o tsunami de mudança (Úrano)  e transformação (Plutão) na sua vida emocional, relacional, laboral. Muita gente está a sofrer com o estado da economia, com as medidas de austeridade, com o desemprego. Mudança e transformação como palavras podem meter medo ou fazer prever uma vida melhor mas enquanto quando vivemos os processos de mudança e de sobretudo de transformação descemos ao inferno.

Na mitologia Plutão rapta Perséfone e arrasta-a para o seu sub mundo. Não foi com certeza uma experiencia agradável nem para Perséfone nem para o homem em Bogotá quando foi raptado. Ambos voltaram à superfície, livres mas mudados, transformados.

Bernini Escultura de Bernini – O rapto de Persefone

 

Tal como os raptores do homem em Bogotá o obrigaram a deixar de fumar, a mudar a dieta, a fazer exercício, a energia da quadratura de Úrano / Plutão está a obrigar-nos a viver de forma diferente.

Não tenho palavras de alívio, somente tenho simpatia e empatia pelos que passam mal devido aos efeitos desta quadratura. Sei que vão sofrer perdas, ficar despojados de muitas coisas que julgavam essenciais, nalguns casos passar as penas do inferno, mas com alguma esperança pergunto: como sabemos nós que o que nos acontece não é bom?

No comments on ‘O homem em Bogotá e as quadraturas Úrano – Plutão’

Leave a Reply