PT | EN

iA


Interstellar – A resposta a uma interrogação astrológica

by Luiza Azancot. Average Reading Time: about 2 minutes.

Poster

Já me tinham aconselhado o filme Interstellar. Fui, gostei e tive a surpresa de ouvir pela boca de Anne Hathaway a resposta a uma pergunta que aparece persistentemente nas minhas consultas astrológicas.

E o amor, vê-se na minha carta?”

Uma vez que não consigo ver amor, respondo assim:

Vejo compatibilidade entre duas pessoas, épocas de vida em que uma pessoa se sente mais atraente e tem maior possibilidade de se apaixonar. Posso perceber as necessidades sexuais de cada um. Vejo como o estilo de comunicação pode influenciar positiva ou negativamente uma ligação existente.” Enfim, tudo isto são aspectos do domínio dos relacionamentos mas não de AMOR.

A minha explicação sobre porque é que não vejo Amor é sempre pouco precisa, e anda à volta da frase “o amor é demasiado sublime”.  Mas, nos meus momentos de reflexão tenho pensado porque é que o amor escapa aos olhos da astróloga, para além do de existirem vários tipos de amor: o amor incondicional dos pais para com os filhos, o amor terno mas não incondicional dos avós para com os netos, o amor paixão, o amor adolescente mas não menos apaixonado, o amor à pátria, o amor a Deus…  etc.

E depois fui ver o filme Interstellar.  Anne Hathaway interpreta a bióloga Amelia Brand e, a um certo ponto, diz

O amor é a única coisa que nós somos capazes de apreender que transcende tempo e espaço. (Love is the one thing we are capable of perceiving that transcends time and space.)

Aqui está a resposta à minha interrogação. A nossa representação dos astros é bidimensional; a carta do céu compõe-se dos elementos “espaço” (local de nascimento) e “tempo” (data e hora de nascimento). Apesar de usarmos a carta para interpretar elementos do passado e antever o futuro, estamos limitados na sua representação por algo que ultrapassa, (transcende) estas duas dimensões – O AMOR.  Eu amo mas não consigo representá-lo simbolicamente.

A próxima vez que um cliente perguntar “vê amor na minha carta?” vou citar Amelia Brand e explicar que, por enquanto não sou capaz de ultrapassar a barreira das duas dimensões… até aprender a desenhar uma carta do céu num tesseracto

tesseracte evoluir para conseguir viver num ambiente semelhante à estante multidimensional  que Cooper usava para transcender tempo e espaço e comunicar com a sua filha.

Até lá aconselho que ame, ame muito com o seu coração e com a sua alma (outra coisa que não consigo ver na carta) em vez de fazer perguntas sobre o amor.

 

One comment on ‘Interstellar – A resposta a uma interrogação astrológica’

  1. sonia beth diz:

    Valeu! Bom dia Luiza.
    Abs

Leave a Reply