PT | EN

iA


A astrologia da crise

by admin. Average Reading Time: about 13 minutes.

Parte 1 – Plutão em Capricórnio

Quando oiço os políticos e os banqueiros falar sobre a crise económica em que vivemos, sejam eles portugueses, europeus ou americanos, lastimo profundamente o desaparecimento dos astrólogos da corte. Isabel I de Inglaterra aconselhava-se com o astrólogo John Dee e teve um reinado longuíssimo e de muito sucesso.

Obama exprimiu publicamente um profundo desprezo pela astrologia e os outros senhores no poder, pela forma como actuam, calculo que sejam da mesma opinião.

É pena. Mark Twain disse “ A historia não se repete, mas rima” e é justamente essa rima que é explicada pela astrologia através dos ciclos dos planetas lentos e dos ângulos que fazem entre si.

Plutão tem uma orbita de 248 anos à volta do sol e por isso passa muitos tempo em cada signo. Durante o seu percurso por cada constelação, a essência do signo correspondente torna-se num agente transformador e tem um impacto no mundo que só pode avaliado em termos históricos pois ultrapassa a duração da estadia. Define assim o zeitgeist duma geração.

Plutão na mitologia grega era Hades, o deus que governava o mundo subterrâneo, o mundo de onde só se escapa se houver ressureição ou renascimento. Era um deus poderoso e temível. Em astrologia Plutão simboliza energias de completa transformação, energias intensas, extremas. É o símbolo que mais se identifica com “ o poder”. É a fénix que renasce das cinzas mas também a purga que limpa totalmente um organismo. Em termos financeiros simboliza divida e impostos.

Não é uma energia confortável mas tem como objectivo revelar e remover o que está podre, o que está toxico, o que já não tem utilidade, para permitir que surga qualquer coisa de saudável, integro, de belo.

Assim de 1958 a 1971 passou no signo de Virgem (ambiente) e Rachel Carson publica “Primavera Silenciosa” em 1962 onde denuncia os efeitos nocivos dos pesticidas e marca o princípio do movimento ecológico.

De 1983 a 1995 Plutão passa pelo signo de Escorpião (sexo) e depois dos excessos do amor livre dos anos 60/70  revela ao mundo a SIDA.

De 1996 a 2007 esteve no signo de Sagitário (religião organizada, “a verdade absoluta”) e assistimos às revelações sobre o comportamento de membros da Igreja e o mundo dominado por extremistas religiosos (ex Presidente Bush incluído).

Em 26 de Janeiro de 2008 Plutão entrou no signo de Capricórnio onde permanecerá até 2023.  Depois de um signo de fogo (Sagitário) onde optimismo e expansionismo imperam, Plutão foi para um signo de terra que por definição é uma realidade limitativa.  Capricórnio em astrologia mundana simboliza autoridade, governos, sistemas financeiros, ambição, o desejo de manter o controle e o status quo. Apesar de ter entrado em Capricórnio no princípio do ano, a sua força fez-se realmente sentir em termos astronómicos a partir de 10 de Setembro de 2008. Lembro que o mundo acordou no dia 15 de Setembro com a notícia de que o banco Lehman Brothers tinha falido e segundo o premio Nobel da economia Paul Krugman afinal “Debt is not what it seems” (Dívida não é que parece). A realidade de Plutão em Capricórnio a bater à porta com uma pontualidade impressionante, a mostrar que divida é divida mesmo camuflada em CDS (credit default swaps) e o descalabro financeiro do mundo, os riscos inimagináveis que bancos, governos, multinacionais corriam e correm com a complacência e ignorancia da população continuam a aparecer cada dia nas páginas dos jornais com impacto nossas vidas.

Outra maneira de perceber o conceito de rima do Mark Twain é ver o que aconteceu no mundo nas passagens anteriores de Plutão por Capricórnio.

Entre 1516 – 1532 – consolidação das descobertas, novos impérios, culminando com a arrogância de dois países, Portugal e Espanha, que através de Tratado de Zaragoza (1529) reafirmaram o meridiano de Tordesilhas tendo a veleidade de dividir o mundo entre si, senhores do mundo.

Na última passagem de Plutão por Capricórnio de 1762 a 1778 os Ingleses, novos senhores do mundo, lançaram um imposto aos colonos de além Atlântico que deu origem à Declaração de Independência dos Estados Unidos da América.

E agora quem são os novos senhores do mundo? A finança internacional. Para tirar duvidas basta olhar para o Shanghai World Financial Center (adeus Europa, adeus USA), inaugurado em Agosto de 2008 para se perceber o enorme poder dos impérios financeiros

Shanghai World Financial Center

Shangai

Pluto symbol

Pluto

Estão a ouvir a rima? E agora?

Governos e mundo da finança (Capricórnio) vão resistir o mais possível à transformação (Plutão). Vão querer consolidar o seu poder; cheios de medo de o perder vão pintar cenários catastróficos se não forem obedecidos e impor medidas restritivas e autoritárias. Vão mostrar a face da oligarquia.

A realidade de Capricórnio aponta para o facto que vamos ter que equilibrar receitas com despesas. Temos que pagar porque gastamos ou deixamos os nossos governos gastar dinheiro que não temos. Com Plutão em Capricórnio não há mais “manobras”, não há engenharias financeiras que durem, podem ser tentadas mas estão votadas ao insucesso – há a verdade nua e crua – gastamos o que não tínhamos e agora temos que viver com o que temos.

Como o fazer e quem vai pagar é uma questão de justiça social. E para a compreender preciso de falar sobre a outra força em movimento, Úrano, o planeta da rebelião que mudou do signo mais pacífico, Peixe, para o signo mais aguerrido, Carneiro, em Maio de 2010. Mas esta parte da análise fica para a próxima.

 

Parte 2 – Úrano em Carneiro

Úrano é o primeiro dos planetas do nosso sistema solar que não pode ser visto a olho nu. Foi descoberto em 1781, na época que deu origem à Revolução Francesa e durante a luta pela independência dos Estados Unidos da América. Simboliza muitas das características dessa época: liberdade, mudança, rebelião, revolução. A justiça social implícita no slogan  Liberté, égalité, fraternité   é uraniana. Esta energia manifesta-se sem aviso prévio, abana, electrifica, radicaliza, abre novas perspectivas. É associada com inovação tecnológica e é também o “Eureka” de Newton. Na sua expressão mais básica é excêntrica e na sua expressão mais elevada representa génio e a capacidade de introduzir melhorias tanto a nível pessoal como a nível colectivo.

Úrano tem uma orbita de 84 anos à volta do Sol e portanto passa 7 anos em cada signo. Por passar menos tempo em cada signo tem menos importância do que o Plutão em termos de zeitgeist.  Em todo caso manifesta-se em acontecimentos mundiais e normalmente de forma repentina. Em Maio de 2010, mudou do signo mais pacífico, Peixe, para o signo mais aguerrido, Carneiro.

Em Dezembro de 2010 Mohamed Bouazizi imolou-se pelo fogo protestando um imposto injusto e falta de soluções económicas para si e para a sua família.  Este acto individual despoletou o movimento da “Primavera Árabe” que mudou e estar a mudar a face da Tunísia, Egipto, Líbia, Síria, Iémen….

Entretanto em França, um humanista de 93 anos, Stephane Hessel, publica em Outubro de 2010, um panfleto “Indignez-vous” que vende mais de 3 milhões de exemplares em diversas línguas. As razoes que ele indica para a necessidade de nos indignarmos incluem a crescente diferença entre ricos e pobres, o controle dos media pelos grandes grupos, a necessidade de proteger o ambiente, etc., apelando para uma insurreição não violenta.

A “Cidade de Tendas” de Tel Aviv,  “Los indignados” de Madrid e o movimento  “Occupy Wall Street” que nasceu em Nova Iorque mas que se está a espalhar pelos USA, são algumas das expressões de Úrano em Carneiro.  Adeus às manifestações pacíficas com velas (Úrano em Pisces), chegou a resistência activa (Úrano em Carneiro). As exigências ainda não são completamente claras mas os motivos são clarissimos. Injustiça social: o slogan de OWS fala dos 99%, dos esquecidos pelo sistema político e financeiro actual que causou a bolha económica e que não está a pagar a crise. Estes movimentos exprimem um descontentamento global sobre o aumento dos impostos e diminuição de pensões e serviços sociais destinados “soit disant” a fazer-nos sair da crise.  São profundamente injustos porque afectam uma população que nada ganhou com as especulações financeiras.

Estes protestos tornar-se-ão violentos? O que nos diz a história do Úrano em Carneiro?

No período de 1843 a 1850 e falando só de 1848:

  • Marx e Engels publicam o “Manifesto Comunista”, obra tão revolucionaria que dá origem mais tarde à criação da União Soviética, estado de ideais uranianos se bem que a sua aplicação tenha ficado aquém da ideologia.
  • Uma onda revolucionária espalhou-se por mais de 50 países a contestar a autoridade tradicional e a exigir justiça social. Na Europa este período é conhecido pela “Primavera das Nações”. As forcas reaccionárias ganharam provisoriamente mas à custa de muitos mortos. Porém no império Astro Húngaro foram abolidos os servos.
  • Em Itália este ano foi tão conturbado que a expressão “fare un quarantotto” é hoje ainda sinonimo de confusão e agitação.
  • Em Portugal tivemos a nossa Maria da Fonte.

 

No período entre 1927 e 1934:

  • A bandeira da India é içada pela primeira vez, Gandhi torna-se mais vocal na exigência de independência e inicia a Marcha do Sal como protesto contra o monopólio dos Ingleses. Milhares de indianos juntaram-se a Gandhi nesta manifestação não violenta.
  • Na China, Mao proclama a Republica Soviética Chinesa (génese da Republica Popular da China) em 1931 e inicia em 1934 a primeira de uma serie de Marchas.
  • Nos Estados Unidos o crash da bolsa de 1929 pôs fim a uma bolha especulativa e começou um período de depressão económica.
  • Na Europa a republica de Weimar é particularmente afectada pelo crash,

O desemprego cresceu para níveis assustadores o que deu origem a popularidade do partido Nazi e à eleição de Hitler em 1933.

 

Estão a ouvir a rima?

Na minha opinião isto é só o princípio uma vez que as duas energias principais, Plutão em Capricórnio e Úrano em Carneiro, se vão ainda encontrar no céu formando um angulo de 90º sete vezes entre 2012 a 2015. Este angulo indica tensão cósmica com reflexo nos assuntos mundanos.

Os governos e senhores da finança vão quer manter o poder e o status quo, e a população vai querer uma sociedade mais igual, mais livre, mais justa. O resultado será um conflito do qual sairá um mundo seguramente diferente do de hoje. Melhor ou pior dependerá de cada um de nós. Também não será vivido com a mesma intensidade por todo o lado. Penso que se sentirá mais nos USA uma vez que tem maiores injustiças sociais e, comparado com a Europa, tem vivido numa maior miragem económica controlada pela alta finança.

 

Parte 3 – Que posso eu fazer?

Os ciclos planetários assemelham-se a um grande relógio que pontualmente nos informa  quando uma época difícil tem maiores probabilidades de se manifestar. Mas a astrologia não nos dita uma conduta, somente indica, sugere caminhos que estão de acordo com as energias planetárias do momento. Apontar alguns desses caminhos é o meu objectivo de hoje. Depois cada um decide o que quere ou pode fazer.

Úrano em Carneiro aponta para uma mudança activa, para a capacidade de lutar por um mundo mais justo, mais igualitário onde as pessoas têm maior possibilidade de se exprimir livremente.

Plutão em Capricórnio aponta para completa transformações dos sistemas económicos, políticos, sobretudo aqueles que não nos são uteis, que já não servem. Esta crise mostrou que muito do valor aparente criado pela finança actual era apenas uma miragem. O sector financeiro transacciona dinheiro para fazer dinheiro. Não cria bens, nem serviços, nada de valor real. Capricórnio aprecia valor intrínseco e Plutão quer rectificar esta situação. Não esquecer que Capricórnio é um signo de terra e também é aconselhável modificar a forma como a tratamos.

Úrano e Plutão estão encadeados neste angulo de 90º de 2011 a 2016 o que indica a possibilidade de mudarmos o paradigma em que vivemos. É uma destas épocas cruciais da história da humanidade quando nós temos as energias universais, tal como a nossa nortada fresca fez com os nossos antepassados, a empurrar-nos para novos caminhos.

Úrano e Plutão

SFEphem

 

É fundamental que haja esperança e nas palavras do gi, inspirado com certeza pela conjuntura, aqui vai a receita de base para esta época:

vais ousar bater com a porta,
vais ousar vencer a troika,
vais espantar de vez do teu espelho
essa viscosa coisa a que chamas medo

 

Sugestões mais detalhadas:

  • Informe-se – o nosso problema é um de falta de informação sobretudo sobre a forma como funciona o mundo financeiro. Como disse uma cronista italiana “para que nasça uma nova europa / mundo (acrescentado por mim) é essencial que se vença a ignorância de muitos e a hipocrisia de poucos”.
    Eu sei que é difícil perceber como funciona o mundo financeiro mas é essencial percebe-lo para expor o que está errado. Encontrei uma história escrita por um francês mas já traduzida para português explicando os mercados actuais com um exemplo simples (moradores de uma aldeia e burros).
    http://despertarportugal.com/Despertar_Portugal/blog/para-os-que-n-227o-percebem-nada-dos-mercados/
  • Faça perguntas e perguntas incómodas aos banqueiros e aos políticos. Peça responsabilidades, pedir contas é uma actividade bem capricorniana. Saiba a quem está entregue o seu dinheiro, quem toma as decisões que afectam o seu futuro.
  • Envolva-se a nível associativo, de bairro, nacional e comunitários Os protestos actuais são só protestos que ainda não tem respostas mas podemos nós contribuir com algumas. Seja activo, seja revolucionário, perca o medo como sugere Úrano em Carneiro, não deixe as oligarquias do mundo dominarem.
  • Prepare-se porque as mudanças estão a acontecer a uma velocidade incrível, e comece consigo próprio. O que posso mudar em mim, o que posso deitar fora, que bagagem já não preciso de carregar?
  • Não se venda ao consumismo barato. Faça bolachas em vez de as comprar. Plutão em capricórnio pede qualidade e apreciação do que é essencial. Bom pão com boa manteiga em vez da tosta com paté.
  • Trate bem da Terra, entre no ciclo produtivo e renovador; plante nem que seja salsa à janela e faça compostagem no seu jardim.

Como astróloga, mãe e avó acredito na minha capacidade de contribuir para melhorar o futuro.

Desejo a todos Bons Propósitos! Mereça o Ano Novo … nas palavras de outro poeta, Carlos Drummond de Andrade:

Para ganhar um Ano Novo 
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

 

3 comments on ‘A astrologia da crise’

  1. Nazaré Abreu diz:

    gostei muito

  2. Ana Maravilhas diz:

    Muito bom!

Leave a Reply